Adaptador de teclado PS2 para MSX – Parte 5

Olá Galera;

Continuando com nosso projeto de construção do adaptador PS2 para MSX, lembrando que até o momento construimos nosso gravador de PIC, tivemos uma breve explicação do que é o PIC 16F628A, baixamos os programas para a gravação do mesmo, com uma economia muito grande nos custos de produção.

Agora nesse momento para dar seguimento a nosso projeto iremos precisar de uma protoboard, ela é uma peça fundamental no processo de desenvolvimento de qualquer circuito eletrônico que iremos desenvolver daqui pra frente, e iremos precisar muito dela.

Acima, uma protoboard já com o PIC 16F628A conectado

Nesse momento você pode perceber que necessitaremos também de uma fonte de alimentação, pois é claro, sem energia nada aconteçe.

Caso você não tenha a fonte, adquira uma de 5V com 1A, ela é mais do que suficiente para nosso propósito, agora se você deseja ir além desse projeto, ai recomendo fortemente uma fonte de bancada.

Creio que existem inúmeras opções de fonte de alimentação, até se você quiser pode utilizar a própria fonte do PC para isso.

Também vamos necessitar de muitos fios para realizar as ligações pertinentes ao circuito, esses fios vão representar as trilhas do nosso circuito impresso.

Para facilitar as coisas nosso esquema acima segue o padrão de cores que usamos para criar o gravador de PIC. Eles são conectados nos pinos indicados.

Abaixo o significado de cada um dos fios de nosso gravador;

  • Azul – Data: Através desse fio, o gravador faz o “upload” do programa, enviando os dados do programa compilado de forma serial, bit a bit.
  • Verde – Clock: Como os dados são enviados de forma serial, o gravador gera pulsos chamados “pulsos de clock” que é uma sequencia de 5 Volts seguido de um 0 Volt. Cada pulso indica para o PIC que um bit de dado de programa está disponível no pino DATA (acima)
  • Laranja – VPP: Esse fio é a indicação para o PIC de que um programa será enviado pelo gravador. Esse fio leva um sinal de 13 Volts ao PIC, que ao receber essa tensão entra em modo de programação e espera então uma sequencia de bits e sinal de clock nos outros dois fios.
  • Preto – GND: Como o gravador e a protoboard são alimentadas por fontes de energias diferentes (o PC alimenta o gravador e uma outra fonte alimenta o PIC) as referências, ou os 0 Volts precisam ser igualados. Isso é feito ligando-se o GND (zero volt) da protoboard ao GND do gravador.

Acima os fios ligados da forma correta nos pinos do PIC e adicionamos um led e um resistor de 330 Ohms.

Uma observação importante precisa ser feita em relação ao LED. Esse componente não é uma lâmpada, e sim um diodo emissor de luz.

Simplificadamente, o LED tem polaridade, ou seja, tem um polo positivo chamado de “Anodo” e um polo negativo chamado de “Catodo”.

Como demonstrado, o LED tem “lado” e precisa ser ligado de forma correta. Para saber qual o lado certo, veja que o polo negativo do LED tem um “corte” ou chanfro no corpo e o terminal negativo é menor.

No nosso exemplo, o lado com chanfro, ou seja, o negativo do LED está inserido no barramento “linha” de 0 Volts.

Ele recebe corrente do PIC através do terminal positivo e tem corrente limitada pelo resistor de 330 Ohms. Se não houvesse o resistor, a corrente elétrica fornecida pelo PIC teria um valor maior do que o LED suporta, e este então queimaria.

No próximo post, ensinaremos como instalar os programas CCS e o MPLab, da qual usaremos para poder digitar nosso programa e compila-lo.

Até +

MsxRevival;

Fonte: http://www.robotizando.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s